Só 6 das 69 universidades federais adotaram ensino a distância após paralisação por causa da Covid-19
Educação

Só 6 das 69 universidades federais adotaram ensino a distância após paralisação por causa da Covid-19

Natalia Queiroz
14/05/2020
168

Autorizado pelo Ministério da Educação (MEC) há quase dois meses, o ensino remoto emergencial de nível superior só foi adotado por 6 das 69 universidades federais do Brasil.

Somadas, elas têm 97,5 mil alunos, ou 8,7% dos 1,1 milhão de estudantes matriculados em instituições do tipo.

A medida foi adotada para que os alunos não ficassem parados durante a pandemia do novo coronavírus. Nesta quarta-feira (13), a pasta ainda prorrogou por mais 30 dias a adesão ao ensino a distância.

No entanto, 59 universidades, que somam 962 mil alunos, estão com as aulas suspensas. Por fim, apenas 4 instituições mantém parte das atividades. As informações são do próprio MEC, que criou uma página na internet para divulgar o status de funcionamento das instituições federais de ensino.

Segundo o painel, apenas Universidade Federal do ABC (UFABC), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e a Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) aderiram ao ensino a distância.

Enquanto isso, 64.178 alunos das universidades federais do Acre, de Sergipe, de São Carlos (SP) e do Tocantins seguem com aulas de forma parcial.

O G1 questionou o MEC se a adesão às aulas à distância foi menor do que o esperado. A pasta, em nota, afirmou que "existe uma expectativa para a ampliação da adesão, pois algumas universidades estão organizando os sistemas e o formato que irão utilizar."

Outro ponto que merece atenção é que o painel exibe algumas informações “vencidas”. Há 6 universidades em que a previsão do fim da suspensão expirou, sem qualquer informação mais recente.

Sobre isso, o Ministério da Educação afirmou que as atualizações devem ser enviadas pelas próprias universidades, e que "acompanha e solicita a atualização".

Procurada, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), afirmou que as iniciativas de adotar ou não o ensino a distância emergencial são de cada instituição.

“A Andifes está preocupada, elaborando seminário nacional para discutir ensino remoto”, disse Márcio Guerra, presidente Colégio de Gestores de Comunicação das Universidades Federais (Cogecom) da Andifes.
 

Falta de acesso é visto como obstáculo
 
Um dos principais pontos do ensino a distância em universidades federais é o acesso às aulas. Parte dos estudantes simplesmente não tem condições de acompanhar o conteúdo por não ter conexão com a internet.
 
Essa foi uma das razões pela qual a Universidade Federal de Pernambuco optou por não aderir ao programa de ensino virtual substituindo a graduação presencial. Em nota, a UFPE afirma que 35% dos alunos vêm de famílias com renda igual ou inferior a um salário mínimo e meio por pessoa.

“São evidentes as dificuldades que essa parcela do corpo discente encontra para acesso a “hardware” (computadores, “notebooks”, “tablets” e similares) adequado para atividades de ensino a distância, bem como ao acesso – de boa qualidade – à rede mundial de computadores”, afirma a instituição.

Dados de 2018 da V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES, promovida pela Andifes, mostram que mais da metade dos alunos vêm de famílias de baixa renda, com rendimentos de até 1 salário mínimo por pessoa.

Além da questão econômica, o ensino a distância ainda pode representar uma barreira para pessoas com deficiência (PCDs).

A reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro, instituição que tem o maior número de alunos entre as federais no Brasil, divulgou uma nota, ressaltando que alunos com deficiência “necessitam de recursos que ainda não podem ser oferecidos nessa modalidade”.

Algumas universidades, como as federais de Minas Gerais (UFMG) e da Bahia (UFBA) abriram enquetes para que os alunos respondam sobre suas possibilidades. No entanto, ainda não há decisão por aderir às aulas à distância.
Na UFMG, inclusive, há uma decisão de não aderir ao ensino a distância. Em documento divulgado no fim de março, a instituição afirma que “a heterogeneidade do corpo discente da UFMG não permite garantir que todos terão acesso frequente e estável aos recursos computacionais necessários para acompanhamento das atividades".
 

Alunos buscam alternativas
 
Alunos ouvidos pelo G1 acreditam que é preciso considerar a realidade de parte dos estudantes que não têm acesso aos equipamentos necessários.
 
“Eu tenho o “privilégio” de ter internet para ver vídeos sobre o assunto de algum texto, mas e quem não tem? Como fica?”, afirma Ludmila Nascimento de Almeida, aluna de História na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Já Luiza Ferreira, estudante de Pedagogia da UFMG, acredita que, caso as restrições de circulação e aglomeração permaneçam por mais tempo, a universidade deve, sim, ter aulas on-line.

"Se no próximo semestre o isolamento permanecer, vale considerar colocar as aulas on-line e pensar em alternativas para quem não tem acesso à internet, para que ninguém saia prejudicado", disse. Ela conta que tem participado de grupos de estudo e pesquisa on-line para se manter atualizada.

A suspensão das aulas também representa um distanciamento da atividade acadêmica. Nesse caso, acabam buscando alternativas para manter os estudos em dia.

"Muitos dos textos e documentos que tenho acesso não me trazem clareza no assunto, o que seria resolvido se a Ufes e os professores tomassem a didática de vídeos aulas", concluiu Ludmila.
 

Como é o ensino a distância emergencial?
 
O MEC regulamentou, em 18 de março, a substituição de aulas presenciais pelas aulas em meios digitais.
Além das universidades federais, o recurso também vale para institutos federais, o Colégio Pedro II, o Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), o Instituto Benjamin Constant (IBC) e as universidades e faculdades privadas.

Estão liberadas aulas à distância de todos os cursos, exceto Medicina. O ensino presencial também não pode substituir as práticas profissionais de estágios e de laboratório dos demais cursos.

A responsabilidade de definir as ferramentas disponíveis aos alunos, as disciplinas que serão substituídas e a realização de avaliações será das instituições.

Notícias Relacionadas

Portal Costa Leste News

Portal de notícias de Aparecida do Taboado, Selvíria, Paranaíba e Inocência. Saiba tudo sobre o cenário político, econômico, turístico, cultural e policial da região Costa Leste de Mato Grosso do Sul.

Registration Login
Registration Login
A password will be send on your post
Registration Login
Registration
Sobre o site

Política de Privacidade

A Política de Privacidade foi criada para reafirmar o compromisso do Costa Leste News com a segurança e a privacidade dos seus usuários de seus serviços “on-line”.

O “site” do Costa Leste News foi criado e desenvolvido de forma a assegurar que a privacidade “on-line” de seus usuários seja respeitada e os dados e informações pessoais devidamente protegidos, não sendo revelados a terceiros. Em nenhuma circunstância vendemos, alugamos ou trocamos informações pessoais.

O Costa Leste News adverte que nenhum armazenamento ou transmissão de dados na Internet é totalmente seguro, porém exerce todos os esforços para resguardar as informações coletadas dos usuários.

O Costa Leste News se compromete em manter a integridade das informações que nos forem fornecidas.

O Costa Leste News se reserva o direito de alterar sua política de privacidade, no todo ou em parte, mediante comunicação aos seus usuários, através desta página.

Termos de Uso

O material disponibilizado neste site é de caráter exclusivamente informativo e a utilização deste conteúdo é de inteira responsabilidade do usuário.

O Costa Leste News poderá modificar a forma e o conteúdo, bem como suspender ou cancelar, a seu exclusivo critério, a qualquer tempo, quaisquer dos serviços, utilidades, produtos ou aplicações disponibilizadas no site.

As informações disponíveis no site poderão ser atualizadas ou modificadas periodicamente e não devem ser interpretadas como definitivas.

O Costa Leste News empregará com afinco seus melhores esforços no sentido de conservar as informações e conteúdos contidos neste site de forma precisa, atualizada e completa quanto possível.

O Costa Leste News ou seus parceiros não poderão ser responsabilizados por qualquer perda ou dano, direto ou indireto, que decorram de:

O conteúdo, fotografias, marcas, títulos, sons, vídeos, dados, gráficos, tabelas, séries históricas e serviços oferecidos por meio do site são de propriedade do Costa Leste News ou de parceiros, não sendo autorizado sua reprodução, transmissão, exploração, armazenamento ou qualquer tipo de uso. O usuário assume toda e qualquer responsabilidade, de caráter civil e/ou criminal, pela utilização indevida de todo e qualquer material do site.

Em caso de utilização do conteúdo do site com a devida autorização, deverá constar como crédito: Costa Leste News. A inobservância do crédito acarretará na imediata revogação da autorização.

O site e seus serviços estão sujeitos a eventuais problemas de interrupção, falha técnica, ou indisponibilidade de funcionamento temporário.

O Costa Leste News estará isento de qualquer responsabilidade pelos danos e prejuízos de toda natureza que possam decorrer de falta de disponibilidade ou de continuidade do funcionamento do site e dos serviços.

Comentários:

O conteúdo dos comentários publicados no site é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do usuário e/ou visitante cadastrado. O Costa Leste News não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente das opiniões e comentários efetuados por terceiros.

Os comentários publicados, porém, serão pós-moderados e o Costa Leste News poderá, a qualquer tempo e a seu critério, excluir, parcial ou integralmente, qualquer texto que infrinja as normas legais ou as regras deste termo de uso, ou ainda em decorrência de denúncias, sem que isto gere qualquer responsabilidade ao Costa Leste News ou direito ao usuário e/ou visitante cadastrado.

Os comentários não devem conter mensagens publicitárias, material pornográfico, grosseiro, racista ou ofensivo; informações sobre atividades ilegais e incitação ao crime; material calunioso; afirmações injuriosas ou difamatórias.

É proibido publicar qualquer material protegido por direitos autorias, sem a devida autorização do autor ou seu representante.

Se por mais de uma vez forem descumpridas quaisquer das regras expostas ou for verificado o exercício ilegal, o usuário e/ou visitante terá sua permissão de comentários cancelada.

A qualquer tempo e de maneira unilateral, o Costa Leste News poderá cancelar o sistema de comentários sem necessidade de aviso prévio.

Forma de acesso aos comentários:

Para se habilitar a fazer comentários no site do Costa Leste News, o usuário terá de preencher um cadastro fornecendo informações verdadeiras e exatas. Tais dados serão protegidos pelo Costa Leste News.

O cadastro dará ao usuário o direito de usar o espaço destinado a comentário.

O Costa Leste News registra o IP pelo qual o usuário acessou o sistema de comentários, para a eventualidade de precisar identificar o autor de um comentário.