Em MS, 4 crianças deram à luz desde 2019 e outras 3 tiveram aborto autorizado
Segurança

Em MS, 4 crianças deram à luz desde 2019 e outras 3 tiveram aborto autorizado

Campo Grande News
20/08/2020

A estranheza, quando não um nó na garganta, é imediata diante da expressão “criança grávida”. Dados da SES (Secretaria de Estado de Saúde) comprovam que o contrassenso das palavras, infelizmente, existe de forma concreta. Pelo menos 4 meninas com menos de 12 anos chegaram a dar luz em Mato Grosso do Sul deste 2019, duas neste ano.

Em 2020, os partos ocorreram em Campo Grande e Naviraí. Em 2019, foram outros dois casos: um em Amambai e outro em Três Lagoas. As circunstâncias não foram divulgadas, como a idade e grau de parentesco ou tipo de ligação com o autor do estupro.

Mas o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) estabelece que, independente da relação que tenha levado ao sexo com criança ou adolescente, o ato sempre será estupro e crime. Portanto, a lei garante o interrompimento da gravidez nestas circunstâncias é direito.

Mesmo assim, o aborto nesses casos voltou à polêmica nas últimas semanas depois de uma menina de 10 anos, do Espirito Santo, conquistar direito de interromper a gravidez, após estupro.

Em Mato Grosso do Sul, apenas uma adolescente estuprada teve direito ao aborto legal neste ano. Em 2019, foram duas, também sem as circunstâncias divulgadas. Todas tinham menos de 14 anos.

Como as meninas são as maiores vítimas da violência sexual, os casos poderiam ser maiores. De acordo com a Saúde, 227 adolescentes, entre 0 e 14 anos, foram estupradas entre janeiro e agosto deste ano. O número é menor do que no ano passado, quando 594 foram estupradas.

Em MS, 4 crianças deram à luz desde 2019 e outras 3 tiveram aborto autorizado

(Arte: Thiago Mendes)


Aborto sentimental ou humanitário

A advogada criminalista Caroline Fernandes Nunes, lembra que a lei prevê o aborto sentimental ou humanitário, que “corre quando a gravidez é resultante de estupro e existe o prévio consentimento da gestante ou de seu representante legal, quando for incapaz, nada justificando impor à mulher uma maternidade que sempre lhe relembre da violência sexual sofrida”, explica.

É nesta categoria que se encaixam as gestações envolvendo crianças e adolescentes. Conforme a advogada, uma gravidez que cause riscos à integridade física e psíquica da mulher ou decorrente de uma violência sexual é completamente desproporcional e desumano, além de certamente agravar o sofrimento a vítima.

Discute-se, ainda, sobre a necessidade de se preservar a autonomia da mulher e seus direitos sexuais e reprodutivos, também considerados direitos fundamentais que não podem ser desprezados. Quando se trata de uma criança, os efeitos são ainda mais perversos, já que a criança sequer possui seu desenvolvimento completo e a lei lhe assegura proteção integral.

Além disso, o ECA prevê que a criança deve receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias com total prioridade. “No caso de estupro contra criança, impedir a realização do aborto seria uma violência maior ainda, pois além dos comprovados riscos à saúde da criança, resultaria em prejuízos irreparáveis ao direito de viver uma infância feliz, digna e protegida”.

Quando o aborto é considerado legal? - A advogada Carolina Nunes explica que existem duas modalidades de aborto legais expressamente previstas em lei no Brasil, que não são punidas quando praticadas por médico.

A primeira é o aborto necessário ou terapêutico, quando a gestação resulta em perigo de vida para a mulher e não há outro meio para salvá-la, não sendo necessário seu consentimento ou autorização judicial.

A segunda é o chamado aborto sentimental ou humanitário, já explicado anteriormente, quando o interrompimento da gravidez é permitido em casos de estupro. O STF (Supremo Tribunal Federal) já decidiu que não pode ser punido o aborto do feto anencefálico quando assim desejar a mulher, quando há segurança do diagnóstico.

E em 2016, em uma situação específica, o STF decidiu que o aborto voluntário praticado no primeiro trimestre da gestação não deveria ser considerado crime no caso analisado, já que a criminalização seria incompatível com os direitos sexuais e reprodutivos e a autonomia da mulher, a integridade física e psíquica da gestante e o princípio da igualdade.

Em MS, 4 crianças deram à luz desde 2019 e outras 3 tiveram aborto autorizado

Penas em casos de estupro

O estupro é penalizado inicialmente com prisão que varia de 6 a 10 anos, a depender do caso e do indivíduo que praticou o crime.

Nos casos em que resultar lesão corporal grave ou se a vítima for menor de 18 anos, a pena é aumentada para prisão de 8 a 12 anos, e se resultar na morte da vítima, varia entre 12 a 30 anos. Porém, quando o estupro é praticado contra vulnerável, ou seja, menor de 14 anos, o crime é inicialmente penalizado com prisão de 8 a 15 anos, e a pena é aumentada para prisão de 10 a 20 anos quando resultar em lesão corporal grave à vítima ou para prisão de 12 a 30 anos quando resultar na morte da vítima vulnerável. 

 

Notícias Relacionadas

Portal Costa Leste News

Portal de notícias de Aparecida do Taboado, Selvíria, Paranaíba e Inocência. Saiba tudo sobre o cenário político, econômico, turístico, cultural e policial da região Costa Leste de Mato Grosso do Sul.

Registration Login
Registration Login
A password will be send on your post
Registration Login
Registration
Sobre o site

Política de Privacidade

A Política de Privacidade foi criada para reafirmar o compromisso do Costa Leste News com a segurança e a privacidade dos seus usuários de seus serviços “on-line”.

O “site” do Costa Leste News foi criado e desenvolvido de forma a assegurar que a privacidade “on-line” de seus usuários seja respeitada e os dados e informações pessoais devidamente protegidos, não sendo revelados a terceiros. Em nenhuma circunstância vendemos, alugamos ou trocamos informações pessoais.

O Costa Leste News adverte que nenhum armazenamento ou transmissão de dados na Internet é totalmente seguro, porém exerce todos os esforços para resguardar as informações coletadas dos usuários.

O Costa Leste News se compromete em manter a integridade das informações que nos forem fornecidas.

O Costa Leste News se reserva o direito de alterar sua política de privacidade, no todo ou em parte, mediante comunicação aos seus usuários, através desta página.

Termos de Uso

O material disponibilizado neste site é de caráter exclusivamente informativo e a utilização deste conteúdo é de inteira responsabilidade do usuário.

O Costa Leste News poderá modificar a forma e o conteúdo, bem como suspender ou cancelar, a seu exclusivo critério, a qualquer tempo, quaisquer dos serviços, utilidades, produtos ou aplicações disponibilizadas no site.

As informações disponíveis no site poderão ser atualizadas ou modificadas periodicamente e não devem ser interpretadas como definitivas.

O Costa Leste News empregará com afinco seus melhores esforços no sentido de conservar as informações e conteúdos contidos neste site de forma precisa, atualizada e completa quanto possível.

O Costa Leste News ou seus parceiros não poderão ser responsabilizados por qualquer perda ou dano, direto ou indireto, que decorram de:

O conteúdo, fotografias, marcas, títulos, sons, vídeos, dados, gráficos, tabelas, séries históricas e serviços oferecidos por meio do site são de propriedade do Costa Leste News ou de parceiros, não sendo autorizado sua reprodução, transmissão, exploração, armazenamento ou qualquer tipo de uso. O usuário assume toda e qualquer responsabilidade, de caráter civil e/ou criminal, pela utilização indevida de todo e qualquer material do site.

Em caso de utilização do conteúdo do site com a devida autorização, deverá constar como crédito: Costa Leste News. A inobservância do crédito acarretará na imediata revogação da autorização.

O site e seus serviços estão sujeitos a eventuais problemas de interrupção, falha técnica, ou indisponibilidade de funcionamento temporário.

O Costa Leste News estará isento de qualquer responsabilidade pelos danos e prejuízos de toda natureza que possam decorrer de falta de disponibilidade ou de continuidade do funcionamento do site e dos serviços.

Comentários:

O conteúdo dos comentários publicados no site é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do usuário e/ou visitante cadastrado. O Costa Leste News não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente das opiniões e comentários efetuados por terceiros.

Os comentários publicados, porém, serão pós-moderados e o Costa Leste News poderá, a qualquer tempo e a seu critério, excluir, parcial ou integralmente, qualquer texto que infrinja as normas legais ou as regras deste termo de uso, ou ainda em decorrência de denúncias, sem que isto gere qualquer responsabilidade ao Costa Leste News ou direito ao usuário e/ou visitante cadastrado.

Os comentários não devem conter mensagens publicitárias, material pornográfico, grosseiro, racista ou ofensivo; informações sobre atividades ilegais e incitação ao crime; material calunioso; afirmações injuriosas ou difamatórias.

É proibido publicar qualquer material protegido por direitos autorias, sem a devida autorização do autor ou seu representante.

Se por mais de uma vez forem descumpridas quaisquer das regras expostas ou for verificado o exercício ilegal, o usuário e/ou visitante terá sua permissão de comentários cancelada.

A qualquer tempo e de maneira unilateral, o Costa Leste News poderá cancelar o sistema de comentários sem necessidade de aviso prévio.

Forma de acesso aos comentários:

Para se habilitar a fazer comentários no site do Costa Leste News, o usuário terá de preencher um cadastro fornecendo informações verdadeiras e exatas. Tais dados serão protegidos pelo Costa Leste News.

O cadastro dará ao usuário o direito de usar o espaço destinado a comentário.

O Costa Leste News registra o IP pelo qual o usuário acessou o sistema de comentários, para a eventualidade de precisar identificar o autor de um comentário.